Em busca da identidade

José Gil prossegue neste livro a sua investigação sobre os processo individuais e colectivos de subjectivação em Portugal. Quais são esses processos neste período marcado pela globalização, a crise económica e a hegemonia política do PS? Que formas assume essa subjectivação quando “a falha de sentido que as promessas por cumprir do 25 de Abril não conseguiram colmatar” foi suprida por antigos hábitos e ‘mentalidades’?

Reinventando conceitos de Ferenczi e Foucault no sentido de uma abordagem original, José Gil mostra como os portugueses tentaram conquistar “formas de subjectivação individuais em desfasamento ou inadequação aos quadros de vida colectiva que se iam edificando progressivamente”. O autor de Portugal Hoje: o Medo de Existir considera que “fizemos da identidade o território da subjectividade” e “esforçamo-nos por resistir ao ‘fora’ que aí vem, do exterior ou do interior, que ameaça destruir as nossas velhas subjectividades”. Em sua opinião, a única maneira de remover o obstáculo da ‘identidade’ é “deixarmos de ser primeiro portugueses para poder existir primeiro como homens”. É à luz dessa preocupação que se analisa o discurso dos actuais governantes que consideram que Portugal entrou num “processo irreversível de modernização”, um discurso “anti-ideológico e de via única” em que a avaliação “surge como método universal de formação de identidades”. José Gil aborda em particular o “chico-espertismo” enquanto fenómeno que atravessa todo o “tipo de subjectividade da nossa sociedade, sendo transversal a todas as classes, grupos, géneros e operações”. José Gil nasceu em Moçambique e doutorou-se em Filosofia na Universidade de Paris (1982), com um estudo sobre “O corpo como campo de Poder”, sob orientação de François Châtelet. Colabora com revistas portuguesas e estrangeiras de várias áreas e é autor de algumas entradas na enciclopédia Einaudi. Na Relógio d’Água tem publicados onze ensaios e três livros de ficção narrativa (A Crucificada, Cemitério dos Desejos e ao meio-dia, os pássaros). Foi Directeur de Programme do Collège International de Philosophie de Paris e foi professor na Universidade Nova de Lisboa até ao ano passado. Foi considerado pelo Nouvel Observateur um dos 25 pensadores mais fulgurantes do mundo contemporâneo. Nos últimos anos tem intervindo no espaço público, sobretudo nas áreas da educação e da política.